ENTRE EM CONTATO
11 4806-0671
contato@qsconsultoria.com.br

REMESSAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO | 6 CONTROLES QUE VOCÊ DEVE FAZER

A remessa para industrialização é um recurso utilizado por muitas empresas como uma forma de ganhar eficiência tributária uma vez que os impostos nessa modalidade incidem apenas sobre os materiais agregados, enquanto que na compra de material já industrializado os impostos incidem sobre o valor total do produto, aumentando assim a carga tributária. Porém, apesar de vantajoso, este é um procedimento que exige muito controle por parte da empresa já que é preciso controlar os saldos enviados e retornados, os prazos de suspensão do ICMS, os pedidos de prorrogação do ICMS suspenso entre outras coisas. Por isso neste artigo vamos falar sobre os principais controles que precisam ser feitos neste processo para garantir que a empresa tenha realmente ganhos com esta operação.

Definição de Remessa para Industrialização

Também conhecida como Industrialização por Encomenda  ou  Industrialização por Terceiro, esta operação acontece sempre que um estabelecimento envia matéria-prima, produto intermediário e material de embalagem para um outro estabelecimento industrializar. Já a industrialização é caracterizada por qualquer operação que modifique a natureza, o funcionamento, o acabamento, a apresentação ou a finalidade do produto, ou o aperfeiçoe para consumo.

Operações com estas característica são realizadas com a suspensão do imposto ICMS por 180 dias, ou seja, se o material enviado retornar dentro do prazo de 180 para o autor da encomenda o ICMS é suspenso, caso contrário deverá ser recolhido. Falamos um pouco sobre o pedido de prorrogação do ICMS em outro artigo.

Controles da Remessa para Industrialização

1.CFOP de envio correta

Tudo começa com o CFOP utilizado na emissão da NFe, por isso este é o primeiro processo que precisa ser garantido que esteja sendo feito da maneira correta. Uma falha na definição do CFOP pode acarretar a cobrança de ICMS que deveria ser suspensa. As CFOP utilizadas neste caso são:

5.901/6.901: Remessa para industrialização por encomenda: Classificam-se neste código as remessas de insumos remetidos para industrialização por encomenda, a ser realizada em outra empresa ou em outro estabelecimento da mesma empresa;

2.Manifesto do Destinatário

O Manifesto do Destinatário é um procedimento implantado recentemente pela Sefaz para que o Destinatário de NFe possa confirmar ou rejeitar o recebimento de uma NFe. Este procedimento ainda não é obrigatório, porém nos casos de Remessa para Industrialização para que o emitente consiga solicitar a prorrogação do ICMS é necessário que o destinatário tenha confirmado o recebimento.

3. Controle do prazo de 180 dias

Como já falamos antes, nas operações de remessa para industrialização o ICMS não incide ou é suspenso pelo prazo de 180 dias:

CFOP 5.901 Dentro do Estado- Não incidência do ICMS

CFOP 6.901 Interestadual  – Suspensão de ICMS

Caso o material não seja retornado dentro deste prazo é possível solicitar prorrogação por mais 180 dias por 2 vezes, mas para que não ocorra a tributação é necessário solicitar esta prorrogação antes dos 180. Por isto este controle de prazo de retorno é imprescindível

4.Controle das prorrogações por item

O pedido de prorrogação do prazo de 180 dias é feito por item da NF e não pela NF total, por isso o controle do prazo precisa ser muito detalhado e minucioso, pois em uma NF de 50 itens pode ser que 48 retornem dentro do prazo e apenas 2 necessitem de prorrogação. O pedido de prorrogação então deve ser feito apenas para estes 2 itens.

5.CFOP de retorno correta

Assim como é necessário ter cuidado nas emissões de nota fiscal, o mesmo cuidado deve ser tomado no retorno, para garantir que o seu fornecedor está retornando os materiais com 2 CFOP:

5.902/6.902: Retorno de mercadoria utilizada na industrialização por encomenda: Classificam-se neste código as remessas, pelo estabelecimento industrializador, dos insumos recebidos para industrialização e incorporados ao produto final, por encomenda de outra empresa ou de outro estabelecimento da mesma empresa. O valor dos insumos nesta operação deverá ser igual ao valor dos insumos recebidos para industrialização; e

5.903/6.903: Retorno de mercadoria recebida para industrialização e não aplicada no referido processo: Classificam-se neste código as remessas em devolução de insumos recebidos para industrialização e não aplicados no referido processo.

Esta informação no retorno é a base para vários controles dentro deste processo:

  • Controle dos saldos retornados
  • Apuração de estoque físico
  • Coerência entre saldo físico e fiscal
  • Controle dos prazos de prorrogação do ICMS

6.Controle dos saldos retornados

E por fim mas não menos importante, é fundamental ter o controle dos saldos de material que já foram retornados e os que ainda estão pendentes. Este controle não deve ser feito apenas em função de obrigações legais, mas também como um gerenciamento de materiais da empresa em poder de terceiro ” tudo que vai precisa retornar”, caso contrário sua empresa está deixando dinheiro pelo caminho.


Como você faz o controle dos materiais enviados para terceiro e o prazo de 180 dias de suspensão do ICMS? Nós podemos te ajudar, solicite o contato de um dos consultores para saber mais como controlar as notas fiscais de operação triangular no Q4-ERP.

Demo_relatório suspensão ICMS

About The Author

Equipe de Conteúdo QS

Nossos conteúdos são produzidos por especialistas nas diversas áreas da Indústria. A QS está em constante busca por informações e atualizações sobre tecnologia e Gestão Industrial, com o objetivo de trazer a melhor informação para os clientes.

Comentários do Blog

Eu gostaria de saber empresa de Sao Paulo contratou uma empresa do simples nacional em Minas , para remessa de fabricação por encomenda. POde me ajudar como fica o imposto. O simples nacional só vai recolher icms na prestação de serviço?

Olá Adriana,
Recebemos seu comentário, obrigada!
Quanto a sua dúvida de “Operação Fiscal” é necessário esclarecer com a sua contabilidade, pois a retenção dos impostos vai depender de cada operação e tipo de enquadramento da sua empresa.

Bom dia. Tenho uma dúvida. No caso de industrialização por encomenda, o autor da encomenda fará a remessa dos produtos para industrialização acompanhados de nota fiscal de remessa para industrialização por encomenda. Quando o industrializador faz a remessa do produto industrializado ele deve emitir uma nota fiscal com a indicação das informações do autor da encomenda e da nota fiscal de remessa dos produtos recebidos para industrialização, indicando também os produtos agregados no processo e o preço total cobrado do autor da encomenda. Além desta nota fiscal, o industrializador também precisa emitir uma nota fiscal de retorno dos produtos recebidos para industrialização por encomenda ou a nota fiscal de remessa do produto industrializado com as especificações dos produtos recebidos (inclusive com indicação da nota fiscal de remessa emitida pelo autor da encomenda) é suficiente? Agradeço antecipadamente a atenção.

Olá, obrigada por seu comentário!
No Q4-ERP o processo de Envio e Retorno de Industrialização “amarra” a nota fiscal de Origem com o Retorno das mercadorias e a cobrança em única nota, o retorno de industrialização precisa retornar os itens enviados e agregados + os serviços. Consulte sua contabilidade sobre as CFOP´s corretas para seu segmento de negócio.

No caso em que, tenho duas filiais, SP e ES, e a minha filial de SP é a responsável pela compra da MP e o beneficiamento é feito por um terceiro em SP, ao termino do beneficiamento pode o terceiro retornar uma NF para a matriz de retorno do beneficiamento e uma NF de Industrialização realizada + mão de obra para a minha unidade na UF do ES, como ficaria a tributação?

Anderson, obrigada por seu comentário.
Você deve consultar seu contador, pois trata-se de uma triangulação entre estados e a transação fiscal deve contemplar a legislação vigente, no que trata-se de ICMS e outros tributos.

Mas e se o material sendo enviado, por motivo de força maior, o beneficiador não puder fazer o processo e a empresa precisar cancelar essa remessa para reenviar a outro beneficiador? Como seria esse processo?

Olá Luiz, obrigada por seu comentário!

Na situação descrita o processo seria realizado da seguinte forma:
1° O fornecedor A efetuará a devolução da Nota Fiscal de remessa sem beneficiamento, com o envio do material.
2° A empresa efetuará a entrada da devolução da Remessa, para deixar os saldos de terceiro e de estoque corretos.
3° Em seguida efetuará o envio do material e Nota Fiscal de remessa para beneficiamento para o fornecedor B

Normalmente, a movimentação fiscal é efetuada, pois na retirada do material do Fornecedor A já é aproveitado o frete para o envio para o Fornecedor B.
Abraços e até mais!

Adicionar comentário

*Preencha todos os campos corretamente

Veja também outros artigos recentes

eficiência produtiva
Posted by qsconsultoria | 14/05/2020
Mesmo com tantos avanços na tecnologia, ainda é comum que indústrias de diferentes tamanhos enfrentem problemas que afetam a eficiência produtiva. Essas questões fundamentais são: a gestão das informações, de...
controle de produção industrial
Posted by qsconsultoria | 07/05/2020
Durante os mais de 20 anos trabalhando com implantações de sistemas de gestão ERP em indústrias de manufatura, percebemos que alguns problemas de controle de produção são comuns, por exemplo,...
benefícios do erp na nuvem
Posted by qsconsultoria | 22/04/2020
Se havia alguma dúvida quanto a importância das tecnologias em nuvem para trabalho remoto e colaborativo, o cenário atual elevou a discussão a outro nível. Neste período, cada vez mais...