ENTRE EM CONTATO
11 4806-0671
contato@qsconsultoria.com.br

ROI de ERP | COMO MEDIR O RETORNO SOBRE O INVESTIMENTO

ROI_como medir

As empresas estão sempre buscando o maior retorno para qualquer investimento, de forma financeira ou produtiva. Ao buscar um software de gestão não é diferente. É comum nos perguntarem “Como medir o ROI de um ERP?” e para responder esta pergunta é preciso olhar para 2 fatores principais que irão impactar no cálculo:

  1. Os benefícios da ferramenta para o negócio;
  2. Os custos que influenciam o investimento.

Em outros posts falamos sobre os sinais que está na hora de investir em um ERP e como convencer o seu chefe a fazer este investimento. Neste post falaremos mais sobre os beneficios e custos, e como é possível medir o retorno sobre investimento em um ERP.

O cálculo do ROI de ERP

O cálculo é a parte mais simples, pois não há segredos na fórmula:

ROI = (retorno – investimento)/investimento

Existem diversas metodologias para realizar este cálculo, depende apenas do enfoque que você quer dar aos resultados. Mas esta é a mais utilizada nos casos de projeto de ERP, por se tratarem de investimentos isolados. Esta fórmula mostra a relação entre os ganhos mensuráveis que o projeto pode trazer para a empresa, e o custo total do projeto.

A definição de RETORNO, ou seja, os benefícios esperado do projeto para cada empresa são diferentes. E isso faz com que o cálculo torne-se mais complexo, por isso vamos falar sobre os beneficios daqui para frente.

O Retorno | Os Benefícios

Se falamos dos benefícios que um software de gestão pode trazer para um negócio, também falamos de resultados tangíveis e intangíveis.  Nem tudo que a empresa vai ganhar com um software pode ser medido ou traduzido em número, por isso fazer esta estimativa de retorno sobre investimento se torna um difícil e é muitas vezes deixado de lado.

Listamos aqui alguns de benefícios que não podem e os que podem ser mensurados pelas empresas que implantam um software de gestão:

Benefícios Intangíveis:

  • Aumentando da eficiência com a integração de informações
  • Redução de erros e retrabalhos para gerar informações
  • Estabelecimento de procedimentos padronizados.
  • Conformidade legal que evita multas e fiscalizações

Benefícios Intangíveis:

O QUE QUANTO COMO
Reduzir custos operacionais 9% alocação dos recursos, redução de horas extras de trabalhadores diretos e técnicos
Redução de inventário 32% Melhorando o planejamento e controles de produção de todos os itens: matérias-primas, item em processo e produtos acabados
Redução do ciclo de processamento do pedido até a entrega 20% Automatizando o recebimento dos pedidos e integrando com o planejamento da produção e faturamento
Reduzir custos com matéria prima 15% Planejando melhor o processo de compras e as negociações com fornecedor e reduzindo obsolescência e desperdício.
Redução do ciclo de fechamentos contábeis/fiscal 19% Através da geração automática dos arquivos SPED com a informações reais, sem exportação de dados
Melhoria em processos de manutenção 7% Através de gestão integrada da produção com os planos de manutenção preventiva
Aumentar a receita 11%  Através do melhor gerenciamento do relacionamento com o cliente com mais informações sobre ele

Fonte: Implantação de Sistema ERP, por Colangelo Filho

Os custos | O investimento

O valor do investimento, ou seja, os custos da empresa neste projeto podem variar bastante devido alguns fatores. Por isso é importante esclarecer vários pontos com os fornecedores em avaliação, porque é muito comum ver no mercado projetos que começaram com um valor e durante a execução vão amentando, devido a despesas não previstas em função de customizações.

1. Arquitetura do Software

A forma como um software foi desenvolvido pode impactar nos custos de modo geral. Depende das funções e módulos que estão disponíveis, da flexibilidade em implantar apenas os processos necessários, da necessidade de customizar e aquisições de módulos ou aplicativos extras para suprir a demanda que o software não atende.

2. Quantidade de usuários

A quantidade de pessoas que irão utilizar o sistema influencia no custo de aquisição e horas de treinamento. Uma prática comum para reduzir o investimento inicial é adquirir licenças de uso apenas para quem irá utilizar o software em tempo integral. Em caso de necessidade, alguns usuários que usam menos pode compartilhar a sessão. Posteriormente, a empresa pode solicitar a inclusão de novos usuários.

3. Os consultores que farão a implantação

Independente de ter uma equipe de TI interna ou não, é necessário contratar consultores especialistas no software. Assim, garante que a implantação seja bem sucedida e se faça um melhor uso da ferramenta. Existem 2 modalidades de consultores de implantação de ERP no mercado, os que são contratados pela própria empresa que desenvolve e comercializa o software, e os profissionais contratos por consultoria que apenas representam um software para a implantação.

4. Necessidade de Customização e aplicativos adicionais

O nível de aderência do software aos processos da empresa é uma preocupação primordial durante o processo de escolha. Pois a quantidade de customizações ou aplicações extras necessárias para adequar o software ao negócio pode triplicar os custos previstos para o projeto. Muitas empresas não realizam um mapeamento de processos antes de fechar o negócio e quando vão definir o escopo do projeto são identificadas necessidades de customização não previstas inicialmente. Além disso, é muito comum no mercado os softwares internacionais que atendem a legislação brasileira e criam aplicativos que devem ser adquiridos por fora para atender NFE, SPED e etc.

5. Migração de dados

A transferência dos dados do sistema atual para o novo sistema também pode gerar custos adicionais, muitas empresas cobram um valor extra para este serviço, ou adicionam muitas horas de projeto para fazer este trabalho. É importante a avaliar a qualidade desses dados antes de optar por uma migração, pois muitas vezes não é vantagem em função da qualidade das informações atuais.

6. Implantação local ou na nuvem

As empresas oferecem as opção de implantar o sistema utilizando a estrutura local de TI, onde o sistema fica instalado no servidor da empresa, ou a opção de utilizar na nuvem, onde o sistema fica hospedado em um data center. A principal diferença é que a primeira opção a empresa está comprando o software e a segunda está alugando, então o investimento inicial no caso da compra é maior, mas no caso do aluguel o valor mensal é maior pois você está comprando serviços de hospedagem, manutenção, backup etc. É necessário avaliar a estrutura atual da empresa para saber o que é mais vantagem para cada negocio, em uma empresa grande que já possui uma equipe de TI pode ser mais vantagem implantar local, mas em uma empresa pequenas que não possui infra-estrutura mas quer utilizar os recursos de um ERP, a opção na nuvem com certeza será mais vantagem.

Fazer um diagnóstico do negócio é o primeiro passo da análise do ROI.

Identificar os benefícios que a sua empresa espera obter com a implantação de um software de gestão, além de ser necessários para calcular o ROI do projeto e também um dos principais fatores de sucesso de uma implantação, pois deixa claro para as pessoas quais são os OBJETIVOS da empresa. Mas é muito importante ter em mente que neste tipo de projeto o retorno acontece em longo prazo, é necessário esperar alguns meses após a implantação para fazer a avaliação quando os processos e as pessoas já estiverem adaptados ao novo cenário e rodando corretamente.


About The Author

Equipe de Conteúdo QS

Nossos conteúdos são produzidos por especialistas nas diversas áreas da Indústria. A QS está em constante busca por informações e atualizações sobre tecnologia e Gestão Industrial, com o objetivo de trazer a melhor informação para os clientes.

Adicionar comentário

*Preencha todos os campos corretamente

Veja também outros artigos recentes

manutenção industrial
Posted by qsconsultoria | 26/06/2020
Junto com a área de manutenção, os times de operação, qualidade e engenharia tem o desafio de manter as máquinas e os equipamentos da empresa disponíveis o maior tempo possível....
reduzir retrabalho e refugo
Posted by qsconsultoria | 04/06/2020
O retrabalho e refugo (sucata) é uma realidade em muitas indústrias, não importa o tamanho ou tipo de produção. O desafio dos gestores é identificar a origem do problema, já...
eficiência produtiva
Posted by qsconsultoria | 14/05/2020
Mesmo com tantos avanços na tecnologia, ainda é comum que indústrias de diferentes tamanhos enfrentem problemas que afetam a eficiência produtiva. Essas questões fundamentais são: a gestão das informações, de...